loader
Arte | Poesia | Literatura | Humor | Tecnologia da Informação | Design | Publicidade | Fotografia

WhatsApp, um fator de distorção que espalha mentiras e atordoa até o TSE sábado, 20 de outubro de 2018

Duas seguidoras de Bolsonaro fotografam-se junto a uma figura de cartão do candidato ultraderechista.

Duas seguidoras de Bolsonaro fotografam-se junto a uma figura de cartão do candidato ultraderechista.A. M. REUTERS

O aplicativo se tornou um terreno fértil para as notícias falsas. 120 milhões de brasileiros utilizam-no diariamente e 66% deles consome e compartilha informação política na rede social

O WhatsApp é a marca perturbadora da eleição brasileira de 2018. Em um país com 147 milhões de eleitores, 120 milhões de pessoas utilizam o aplicativo de mensagens diariamente e 90% o fazem mais de 30 vezes por dia. 66% dos eleitores brasileiros consomem e compartilham notícias e vídeos sobre política por meio da rede social mais popular do país, segundo dados do Instituto Datafolha. Isso torna o aplicativo um lugar fértil para, no melhor dos casos, o debate político e o fluxo de informações e, na pior das hipóteses –que já apareceu com força nos ainda frágeis e parciais levantamentos disponíveis–, para poderosas campanhas de desinformação.

O que dá à rede social um papel central na disputa política é ser uma plataforma fechada, com mensagens criptografadas (consequentemente, de difícil verificação e monitoramento). Ao lado de sua irmã mais velha, o Facebook, tem um problema contundente por causa disseminação de fake news. Mas, ao contrário de rede maior, ainda há poucas iniciativas para tentar contê-las. “No Brasil, 90% dos usuários faz parte de um ou mais grupos no app, o que facilita ainda mais a difusão da propaganda eleitoral”, diz Mauricio Moura, CEO da consultoria Idea Big Data e especialista em campanhas eleitorais no Brasil e nos Estados Unidos.

Moura faz parte do grupo de analistas que havia previsto que o WhatsApp seria a rede mais importante nas eleições brasileiras. “Depois das eleições na Colômbia e no México, onde se mostrou o fenômeno dessa plataforma, a teoria se confirmou. Esse panorama é um reflexo do sucesso das estratégias da indústria telefônica na região”, diz o especialista, que destaca que só não aconteceu o mesmo nas eleições norte-americanas de 2016 porque o Facebook ainda é muito mais relevante nos EUA. No Brasil, a popularidade do aplicativo é tal que as empresas telefônicas oferecem planos de Internet específicos para ele, nos quais, a partir de pouco mais de 10 reais, os usuários podem contratar 50 MB por dia de Internet, com conexão grátis ao WhatsApp. No Brasil, onde o salário médio é de 2.100 reais, as ofertas são mais do que tentadoras. O problema é que o usuário fica insulado no próprio aplicativo, não navega para fora dele para, por exemplo, cotejar informações.

Um indício incontestável de que a campanha eleitoral no WhatsApp suplantou até o mítico poder da propaganda política na televisão —diferentes análises realizadas desde o ano 2000 demonstram que 58% dos candidatos com 30% ou mais de tempo de propaganda foram eleitos e reeleitos. Quando o candidato também tinha 30% ou mais das intenções de voto antes do início do horário eleitoral obrigatório na televisão, a porcentagem de vitória subia a 79%. “Mas a média de audiência da propaganda política na televisão caiu de 22 pontos em 2008 a 6 em 2016”, diz Moura. É um dos fatores que explicam, por exemplo, o sucesso do ultraconservador Jair Bolsonaro (PSL), ainda que seja o candidato com menos tempo de exposição na tevê (somente oito segundos).

Entre o eleitorado do capitão da reserva do Exército, a utilização do WhatsApp é, de fato, maior: 81% de seus apoiadores utilizam o aplicativo, segundo o Instituto Datafolha, enquanto 55% dos eleitores de Fernando Haddad (PT), o segundo nas intenções de voto (22%), o fazem. Bolsonaro, que possui o apoio da maior parte das pessoas de classe média e alta —que têm mais acesso a smartphones e Internet—, movimentou sua propaganda no terreno das redes sociais desde o começo da disputa – tem mais de 7 milhões de seguidores no Facebook. O comitê de campanha de seu principal rival, Haddad, demorou a perceber o poder da plataforma e só anunciou um canal para denúncias de notícias falsas nessa semana, quatro dias antes do primeiro turno.

TSE atordoado

Em 2014, o WhatsApp já foi utilizado para tentar interferir em um resultado eleitoral no Brasil. Em 26 de outubro daquele ano, no dia da votação do segundo turno, quando Dilma Rousseff (PT) tentava a reeleição em disputa direta com Aécio Neves (PSDB), milhares de pessoas acordaram com a seguinte notícia em seus celulares: Alberto Youssef, empresário que havia se transformado em colaborador da Operação Lava Jato e que havia dito dias antes que Rousseff sabia sobre o esquema de corrupção na Petrobras, havia sido “envenenado” na prisão. Era uma notícia falsa, um rumor que se espalhou entre os eleitores a ponto das autoridades do Governo precisarem desmentir a história publicamente.

Para essas eleições, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) regulamentou a propaganda política no Facebook, obrigando a plataforma a indicar aos usuários quais conteúdos de partidos e candidatos eram promovidos. “Isso serviu para blindar, de certo modo, a campanha no Facebook contra as fake news”, diz Fabrício Benevenuto, professor do departamento de Ciência da Computação da UFMG e criador do projeto Eleições sem Fake. O principal órgão eleitoral não incluiu, entretanto, o WhatsApp na regulamentação. O especialista acha importante criar alguma medida para controlar a rede, mas explica que isso seria “tecnicamente complicado”. “É um fenômeno novo, é normal que não saibam muito bem como analisá-lo. Como as mensagens são criptografadas, nem a própria equipe da plataforma a entende muito bem. Não sabem nem mesmo quão enviesados são os dados”, afirma.

Neste domingo, a presidenta do TSE, Rosa Weber, admitiu que as autoridades ainda estão “aprendendo a lidar com fake news“. “O que o TSE está fazendo? O TSE não está fazendo nada? Primeiro, ele está entendendo o fenômeno, que não é de fácil compreensão, não é de fácil prevenção, e não é um problema brasileiro. Mas o TSE está atento”, disse Weber.

Existem pelo menos 100 grupos públicos do WhatsApp que apoiam Bolsonaro, e 37 deles são monitorados pelo Eleições sem Fake. “O candidato monopoliza os debates na maior parte dos 272 grupos que analisamos. Ele é o protagonista da maior parte das notícias, vídeos e memes que circulam na rede”, diz Benevenuto.

Na véspera da eleição, a contraofensiva nas redes se intensificou. Diogo Nascimento da Silva, de 31 anos, que mora no Recife, afirma ter percebido nas últimas semanas um aumento no volume de mensagens sobre Bolsonaro nos grupos dos quais participa. “Agora já começaram a mandar algo sobre Haddad, mas quando o fazem, os apoiadores de Bolsonaro enviam tantas mensagens por cima que os eleitores do PT até desistem”, conta. Apesar da quantidade de mensagens, ele afirma que nada interfere em seu voto: “Vou no 51”, diz, sem saber o nome do candidato: Cabo Daciolo (Patriota), que tem 2% das intenções de voto.

Nesse universo de troca de notícias, em que o controle sobre o que é falso e verdadeiro e sobre a origem do que se compartilha é quase nulo, aparece conteúdo de todo o tipo, confundindo o eleitor. Com o país dividido em meio a uma das campanhas mais polarizadas da história recente, as notícias falsas se espalham como fogo em capim seco no WhatsApp. Uma das mentiras mais divulgadas nas últimas semanas surgiu exatamente de um grupo de apoio a Bolsonaro: a afirmação de que as urnas eletrônicas no Brasil já foram manipuladas, apesar de ser um fato não comprovado nos 22 anos de uso do sistema, de acordo com o TSE. O mesmo aconteceu com a informação falsa de que Manuela D’Ávila (PCdoB), candidata a vice-presidenta com Haddad, teria recebido uma ligação de Adélio Bispo de Oliveira, o homem que esfaqueou Bolsonaro, em 6 de setembro, dia do ataque.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharelando em Direito. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

# # #

© Copyright 2018 Blog do Mesquita - Direitos Reservados. | POLÍTICA DE PRIVACIDADE | MBrasil