1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (12 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Torquato Neto – Versos na tarde – 13/08/2013

Pílulas do tipo deixa-o-pau-rolar
Torquato Neto¹

Primeiro passo é tomar conta do espaço.
Tem espaço a bessa e só
você sabe o que o que pode fazer do seu.
Antes ocupe. Depois se vire.

Não se esqueça de que você está
cercado, olhe em volta e dê um rolê.
Cuidado com as imitações.

Imagine o verão em chamas e fique
sabendo que é por isso mesmo.
A hora do crime precede a hora da
vingança, e o espetáculo continua.
cada um na sua, silêncio.

Acredite na realidade e procure
as brechas que ela sempre deixa.
Leia o jornal, não tenha medo de
mim, fique sabendo: drenagem, dragas
e tratores pelo pântano. Acredite.

Poesia. Acredite na poesia e viva.
E viva ela. Morra por ela se você
se liga, mas por favor, não traia.
O poeta que trai sua poesia é um
infeliz completo e morto.
Resista, criatura.

Sínteses.
Painéis.
Afrescos.
Reportagens.

Sínteses. Poesia. Posições.
Planos gerais. “O Close-up é uma
questão de amor”. Amor.

Eu, pessoalmente, acredito em
Vampiros. O beijo frio, os dentes
quentes, um gosto de mel.

¹Torquato Pereira de Araújo Neto
* Teresina, PI – 09 de Novembro de 1944 d.C.
+ Rio de Janeiro RJ, 10 de Novembro de 1972 d.C.
Poeta, jornalista e letrista de música popular.
Parceiro dos principais compositores da MPB; Edu Lobo, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Luiz Melodia, Macalé, João Bosco, Sérgio Brito, Zeca Baleiro, Nonato Buzar, Roberto Menescal e Paulo Diniz. “Pra dizer Adeus”, em parceria com Edu Lobo, é sua composição mais conhecida.

Torquato se matou um dia depois de seu 28º aniversário, em 1972.
Sua nota suicida dizia: “Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar”. Thiago era o filho de três anos de idade.

Frase.
“Escute, meu chapa: um poeta não se faz com versos. É o risco, é estar sempre a perigo sem medo, é inventar o perigo e estar sempre recriando dificuldades pelo menos maiores, é destruir a linguagem e explodir com ela (…). Quem não se arrisca não pode berrar.”


Termos: , , , , ,