1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

T.S.Eliot – Poesia – Poemas – Versos na tarde – 09/05/2017

A canção de amor de J. Alfred Prufrock – Parte II
T.S.Eliot¹

E na verdade tempo haver á
Para que ao longo das ruas flua a parda fumaça,
Roçando suas espáduas na vidraça;
Tempo haverá, tempo haverá
Para moldar um rosto com que enfrentar
Os rostos que encontrares;
Tempo para matar e criar,
E tempo para todos os trabalhos e os dias em que mãos
Sobre teu prato erguem, mas depois deixam cair uma questão;
Tempo para ti e tempo para mim,
E tempo ainda para uma centena de indecisões,
E uma centena de visões e revisões,
Antes do chá com torradas.

No saguão as mulheres vêm e vão
A falar de Miguel Ângelo.
E na verdade tempo haverá
Para dar rédeas à imaginação. “Ousarei” E . . “Ousarei?”
Tempo para voltar e descer os degraus,
Com uma calva entreaberta em meus cabelos
(Dirão eles: “Como andam ralos seus cabelos!”)
– Meu fraque, meu colarinho a empinar-me com firmeza o
queixo,
Minha soberba e modesta gravata, mas que um singelo alfinete
apruma
(Dirão eles: “Mas como estão finos seus braços e pernas! “)
– Ousarei
Perturbar o universo?
Em um minuto apenas há tempo
Para decisões e revisões que um minuto revoga.

Tradução Ivan Junqueira

1 Thomas Stearns Eliot
* Nuneaton, Reino Unido – 22 de novembro de 1819
+ Chelsea, Londres, Reino Unido – 22 de dezembro de 1880

² O poema  “The Love Song of J. Alfred Prufrock”, consta de seu primeiro livro de versos, editado em 1917, Prufrock and Other Observations. Havia aparecido anteriormente na revista Poetry, em 1915. Prufrock, representa, talvez, o jovem Eliot da época em que freqüentava Harvard e a sociedade de Boston que descreveu como sendo “civilizada para além dos limites da civilização”.

O poema, de fato, descreve o drama de um membro dessa sociedade, Prufrock. Através de um monólogo que mantém consigo mesmo, em que especula as conseqüências da consuma- ção de um amor que, devido à sua ultra-sensibilidade, jamais conseguirá declarar (o poema é ironicamente intitulado uma canção de amor), ele nos revela a futilidade e o vazio dessa sociedade sem fé, sem objetivo, extremamente artificial e sofisticada. Prufrock compreende e interpreta a sociedade (várias alusões a Dante e à Divina Comédia esclarecem que ela está no Inferno em vida), mas não consegue, nem conseguirá jamais agir de maneira diferente, porque éle pertence integralmente a esse mundo perdido.

A única salvação está em voltar para perto do mar, jogar-se nele, purificar-se, mas como Prufrock não pode na realidade viver sem ouvir as vozes humanas, éle afoga-se. Nenhuma dessas idéias está implícita no poema. Revelam-se através de imagens que descrevem o aspecto desolador do ambiente, justapostas à conversa fútil das senhoras que falam a respeito de Miguel Ângelo, mas que jamais conseguirão compreender o alcance da obra daquele que foi o maior espírito criador da Renascença, uma época de grandes conquistas espirituais que contrasta extraordinariamente com a nossa, vazia e estéril: “como um paciente anestesiado sobre a mesa”.

Por todo o poema encontramos alusões à literatura universal e, em especial, aos grandes poetas, tais como Hesíodo, Dante, Marvel, Shakespeare, assim como referências a passagens da Bíblia. Essas referências servem para elucidar, ou colocar em confronto os acontecimentos do poema, com trechos dramáticos de obras da literatura universal (cf. Notas). Resta-nos dizer algo acerca das metáforas no poema.

Em um ensaio a respeito de Hamlet, Eliot declara que nenhuma emoção pode ser expressa suficientemente bem em literatura sem o “objective correlative” que êle define como sendo — “uma série de objetos, uma situação, uma cadeia de acontecimentos, que constituirão a fórmula dessa emoção; de maneira que, quando os fatos externos são apresentados, a emoção é imediatamente evocada”.

Por exemplo, nos versos 62 a 74, Prufrock não diz que tem medo de relações físicas, que também receia uma vida destituída delas ou que desejaria nunca ter nascido. E’ muito mais eficaz, quando descreve quase amorosamente “braços enfeitados, nus e brancos”, mas logo se lembra de que, “na claridade”, são “cobertos por cabelos loiros”.

Desculpa-se por ter chegado a pensar no amor, mas lamenta-se, dizendo que já viu homens sozinhos em mangas de camisa, debruçados nas janelas. Logo depois, incapaz de chegar a uma conclusão, grita: “Deveria ter sido um par de garras escabrosas / Rastejando pelos fundos de águas silenciosas”. As imagens, que à primeira vista parecem desconexas, quando tentamos justapô-las, intensificam enormemente a emoção.

Termos: , , , , , ,
Trackback

Nenhum Comentário até o momento. Faça o seu também!

Preencha os dados abaixo e faça seu comentário!

Você deve está Logado para comentar.