1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas ( Seja o primeiro a votar !!! )
Loading...

Walt Whitman – Versos na tarde – 26/07/2016

A Base de Toda Metafísica Walt Whitman ¹ E agora, senhores, Uma palavra eu lhes dou para permanecer em suas memórias e mentes, Como base, e fim também, de toda metafísica. (Também, para os alunos, o velho professor, No final de seu curso apinhado.) Tendo estudado o novo e o antigo, os sistemas grego e alemão, […]

, , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

John Keats – Versos na tarde – 11/04/2017

Ode sobre uma urna grega John Keats¹ Tradução: Augusto de Campos I Inviolada noiva de quietude e paz, Filha do tempo lento e da muda harmonia, Silvestre historiadora que em silêncio dás Uma lição floral mais doce que a poesia: Que lenda flor-franjada envolve tua imagem De homens ou divindades, para sempre errantes. Na Arcádia […]

, , , , , , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas ( Seja o primeiro a votar !!! )
Loading...

Paul Valéry – Versos na tarde – 15/03/2017

O SILFO Paul Valéry¹ Entrevisto e esquivo, eu sou esse aroma finado mas vivo que no vento assoma! Entrevisto e incerto, acaso ou talento? Mal se chega perto, concluiu-se o intento! Entrelido e oculto? Que erros, ao arguto, foram prometidos! Entrevisto e alheio lapso nu de um seio entre dois vestidos! ¹Ambroise-Paul-Toussaint-Jules Valéry * Paris, […]

, , , , , , , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Fernando Pessoa – Versos na tarde – 23/01/2016

Desertos Fernando Pessoa¹ Grandes são os desertos, e tudo é deserto. Não são algumas toneladas de pedras ou tijolos ao alto Que disfarçam o solo, o tal solo que é tudo. Grandes são os desertos e as almas desertas e grandes – Desertas porque não passa por elas, senão elas mesmas, Grandes porque de ali […]

, , , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 4,67 de 5)
Loading...

Gerardo Melo Mourão – Versos na tarde – 09/07/2015

E a duração do lírio fora um hálito Gerardo Melo Mourão ¹ E a duração do lírio fora um hálito, o lírio, Geraldino, de cristal, que te floresce sobre a sepultura; o lírio, Telmo, que em teus olhos pálpebras apascentam de pétalas no claustro. E no entanto durara: ao tempo quando a madressilva não temia […]

, , , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (10 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Augusto dos Anjos – Versos na tarde – 06/05/2014

Vandalismo Augusto dos Anjos¹ Meu coração tem catedrais imensas, Templos de priscas e longínquas datas, Onde um nume de amor, em serenatas, Canta a aleluia virginal das crenças. Na ogiva fúlgida e nas colunatas Vertem lustrais irradiações intensas Cintilações de lâmpadas suspensas E as ametistas e os florões e as pratas. Como os velhos Templários […]

, , , , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Versos na tarde – Severo Sarduy – 11/03/2014

Giorgio Morandi – Itália 1890 – 1964 Natureza Morta – óleo s/tela – 1941 – 34,5 x 49 cm Poesia do cubano Severo Sarduy (Cuba 1937-1993), sobre uma pintura de Giorgio Morandi Uma lâmpada. Um copo. Uma garrafa. Sem outra utilidade ou pertinência que estar ali, que dar à consciência um casual pretexto, mas não […]

, , , , , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (6 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Walt Whitman – Versos na tarde – 27/01/2014

Com música forte eu venho Walt Whitman¹ Eu rufo e bato o tambor pelos mortos e sopro nas minhas embocaduras o que de mais alto e mais jubiloso posso por eles. Vivas àqueles que levaram a pior! E àqueles cujos navios de guerra afundaram no mar! E a todos os generais das estratégias perdidas, que […]

, , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (13 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Luiz Guilherme Veiga – Versos na tarde – 14/09/2013

Solidão Luiz Guilherme Veiga Solidão é dor, que a gente sempre traz Solidão é fardo, mas que se desfaz como um vento frio, na beira do cais Solidão é luz, é luz que se contrai Solidão é som que não se escuta mais Solidão é tudo, é tudo que se faz Solidão é espera, de […]

, , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (10 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Isamu Yoshú – Versos na tarde – 07/08/2013

A vida é breve Isamu Yoshú ¹ Tradução do original japonês, por Luís Antônio Pimentel Amemo-nos agora… A vida é breve! – Enquanto é rubra a tua boca em flor, teu sangue, que hoje é sol por sobre a neve, amanhã, quem dirá qual sua cor? Amemo-nos agora .. A vida é breve! De braços […]

, , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (4 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Emily Dickinson – Versos na tarde – 03/08/2013

Poema Emily Dickinson¹ Eu sou Ninguém! E tu quem és? Também tu és – Ninguém? Então somos dois? Não digas nada! Haviam de apregoar – sabes! Como é aborrecido – ser – Alguém! Como é público – qual rã – Dizer-se o nome – Junho fora – A um Charco admirador! ¹Emily Dickinson * Boston, […]

, , , , , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

J.G de Araújo Jorge – Versos na tarde

Bilhete J.G. de Araújo Jorge ¹ O teu vulto ficou na lembrança guardado, vivo, por muitas horas!… e em meus olhos baços Fitei-te – como alguém que ansioso e torturado Tentasse inutilmente reavivar teus traços… Num relance te vi – depois, quase irritado Fugi, – e reparei que ao marcar os meus passos ia a […]

, , , , ,