loader
Arte | Poesia | Literatura | Humor | Tecnologia da Informação | Design | Publicidade | Fotografia

Elizabeth Barret Browing – Versos na tarde – 29/05/2018 terça-feira, 29 de maio de 2018

Ama-me por teu amor somente Elizabeth Barret Browing Ama-me, por amor do amor somente, Não digas: Amo-a pelo seu olhar, O seu sorriso, o modo de falar Honesto e brando. Amo-a porque se sente Minh’alma em comunhão constantemente Com a sua”. Por que pode mudar Isso tudo, em si mesmo, ao perpassar Do tempo, ou para ti unicamente. Nem me ames pelo pranto que a bondade De tuas mãos enxuga, pois se em mim Secar, por teu conforto, esta vontade…

Mark Strand – Versos na tarde – 20/05/2015 domingo, 20 de maio de 2018

A história toda Mark Strand Como isso foi ter acontecido desse jeito Eu não estou certo, mas você Está sentado perto de mim, Pensando em suas próprias coisas Quando de repente eu vejo Chamas pela janela. Eu te cutuquei e disse, “Aquilo é um incêndio. E além disso, Nós não podemos fazer nada a respeito, Porque nós estamos nesse trem, entende? Você me dirigiu um olhar esquisito Como se eu tivesse falado demais. Mas é que você não sabe que…

Christopher Marlowe – Versos na tarde – Literatura sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Quem que sempre amou não amou à primeira vista? Christopher Marlowe¹ Em nosso poder não está amar ou odiar, Pois o fado invalida o nosso desejar. Quando dois se despem, um longo curso começa, Almejamos que um amar deva, o outro vença. E sentimos especial feição por um Dos dois lingotes d’ouro, como a cada um: Por razão que ninguém sabe, suficiente O que a nossos olhos censurado se encontre. Quando se deliberam, o amor de pesos dista: Quem que…

Shakespeare – Versos na tarde – 25/09/2017 segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Soneto II Shakespeare ¹ Passados quarenta invernos sobre a tua fronte, Após cavarem fundos sulcos nos vergéis de tua beleza, O vigor de tua orgulhosa juventude, hoje tão admirada, Será um esmaecido ramo sem nenhum valor.   Então, ao te perguntarem onde está o teu encanto, Onde está a riqueza de teus luxuriosos dias, Respondes, com olhos fundos, Que não passaram de vergonha e descabidos elogios.   Que louvores mereciam o uso de teus dotes, Se pudesses responder: “Este belo…

Eduardo Galeano – Versos na tarde – 16/09/2017 sábado, 16 de setembro de 2017

Os ninguéns Eduardo Galeano¹ As pulgas sonham com comprar um cão, e os ninguéns com quem deixar a pobreza, que em algum dia mágico a sorte chova de repente, que chova a boa sorte a cântaros; mas a boa sorte não chove ontem, nem hoje, nem amanhã, nem nunca, nem uma chuvinha cai do céu da boa sorte, por mais que os ninguéns a chamem e mesmo que a mão esquerda coce, ou se levantem com o pé direito, ou…

© Copyright 2018 Blog do Mesquita - Direitos Reservados. | POLÍTICA DE PRIVACIDADE | MBrasil