Fernando Pessoa – Versos na tarde – 20/08/2017

Prefiro rosas, meu amor, à pátria Fernando Pessoa/Ricardo Reis Prefiro rosas, meu amor, à pátria, E antes magnólias amo Que a glória e a virtude. Logo que a vida me não canse, deixo Que a vida por mim passe Logo que eu fique o mesmo. Que importa àquele a quem já nada importa Que um … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Fernando Pessoa – Versos na tarde – 12/07/2016

Vossa formosa juventude leda Fernando Pessoa/Ricardo Reis¹ Vossa formosa juventude leda, Vossa felicidade pensativa, Vosso modo de olhar a quem vos olha, Vosso não conhecer-vos — Tudo quanto vós sois, que vos semelha À vida universal que vos esquece Dá carinho de amor a quem vos ama Por serdes não lembrando Quanta igual mocidade a … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , , ,

Ricardo Reis – Versos na tarde – 27/06/2015

Toda visão da crença se acompanha Ricardo Reis/Fernando Pessoa¹ Toda visão da crença se acompanha, Toda crença da ação; e a ação se perde, Água em água entre tudo. Conhece-te, se podes. Se não podes Conhece que não podes. Saber sabe. Sê teu. Não dês nem operes. ¹Fernando Antonio Nogueira Pessoa * Lisboa, Portugal – … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , ,

Fernando Pessoa – Versos na tarde – 23/03/2015

Sê lanterna, Sê luz com vidro em torno Ricardo Reis/Fernando Pessoa ¹ Sê lanterna, sê luz com vidro em torno, Porém o calor guarda. Não poderão os ventos opressivos Apagar tua luz; Nem teu calor, disperso, irá ser frio No inútil infinito. ¹Fernando Antonio Nogueira Pessoa * Lisboa, Portugal – 13 de Junho de 1888 … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , ,

Fernando Pessoa – Ricardo Reis – 01/04/2013

Vem sentar-te comigo, Lídia Ricardo Reis/Fernando Pessoa Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos.) Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , , ,

Fernando Pessoa – Versos na tarde

Vem sentar-te comigo, Lídia Fernando Pessoa/Ricardo Reis ¹ Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos.) Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , , ,

Fernando Pessoa/Ricardo Reis – Versos na tarde

Aos Deuses Fernando Pessoa/Ricardo Reis ¹ Aos deuses peço só que me concedam O nada lhes pedir. A dita é um jugo E o ser feliz oprime Porque é um certo estado. Não quieto nem inquieto meu ser calmo Quero erguer alto acima de onde os homens Têm prazer ou dores. ¹ Fernando Antonio Nogueira … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Fernando Pessoa/Ricardo Reis – Versos na tarde

Aqui Fernando Pessoa/Ricardo Reis ¹ Aqui, neste misérrimo desterro Onde nem desterrado estou, habito, Fiel, sem que queira, àquele antigo erro Pelo qual sou proscrito. O erro de querer ser igual a alguém Feliz em suma — quanto a sorte deu A cada coração o único bem De ele poder ser seu. ¹ Fernando Antonio … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Fernando Pessoa/Ricardo Reis – Versos na tarde

Aqui Fernando Pessoa/Ricardo Reis ¹ Aqui, Neera, longe De homens e de cidades, Por ninguém nos tolher O passo, nem vedarem A nossa vista as casas, Podemos crer-nos livres. Bem sei, é flava, que inda Nos tolhe a vida o corpo, E não temos a mão Onde temos a alma; Bem sei que mesmo aqui … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Fernando Pessoa/Ricardo Reis – Versos na tarde

Acima da Verdade Fernando Pessoa/Ricardo Reis ¹ Acima da verdade estão os deuses. A nossa ciência é uma falhada cópia Da certeza com que eles Sabem que há o Universo. Tudo é tudo, e mais alto estão os deuses, Não pertence à ciência conhecê-los, Mas adorar devemos Seus vultos como às flores, Porque visíveis à … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , ,