Cecília Meireles – Prosa na tarde – 12/03/2017

O Livro da Solidão Cecília Meireles ¹ Os senhores todos conhecem a pergunta famosa universalmente repetida: “Que livro escolheria para levar consigo, se tivesse de partir para uma ilha deserta…?” Vêm os que acreditam em exemplos célebres e dizem naturalmente: “Uma história de Napoleão.” Mas uma ilha deserta nem sempre é um exílio… Pode ser … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , ,

Claudia Camara – Prosa na tarde – 07/03/2017

Espelho Claudia Camara ¹ Eu vou falar porque transbordo. Só porque não tem jeito, vou dizer adagas afiadíssimas, impiedosas, sobre sua carne. Não me olhe ou esmorecerei e minha voz vai se calar, exausta de compaixão. Não me olhe, porque as palavras sairão como cuspes lançados contra seu rosto. Escarros antigos, empedrados de dores caladas. … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Carlos Drumnond de Andrade – Prosa na tarde – 24/06/2015

Não deixe o amor passar Carlos Drummond de Andrade¹ Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida. Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , , ,

Shakespeare – Prosa na tarde – 12/04/2015

A Tempestade Shakespeare ¹ — (…)  “Pois o mesmo comigo vai se dar. Sendo ar, apenas, como és, revelas tanto sentimento por suas aflições; e eu, que me incluo entre os de sua espécie, e as dores sinto, como os prazeres, tão profundamente tal como qualquer deles, não podia me mostrar agora menos abalado. Muito … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , , , , , ,

Clarice Lispector – Prosa na tarde – 05/03/2015

Descoberta do amor Clarice Lispector ¹ “[…] Quando criança, e depois adolescente, fui precoce em muitas coisas. Em sentir um ambiente, por exemplo, em apreender a atmosfera íntima de uma pessoa. Por outro lado, longe de precoce, estava em incrível atraso em relação a outras coisas importantes. Continuo, aliás, atrasada em muitos terrenos. Nada posso … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Sarah Westphal – Prosa na tarde – 15/02/2015

Quase Sarah Westphal Batista ¹ Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , ,

Artur da Távola – Prosa na tarde – 13/02/2015

Afinidade Artur da Távola ¹ Não é o mais brilhante mas é o mais sutil, delicado e penetrante dos sentimentos. O mais independente, também. Não importam o tempo, a ausência, os adiamentos, as distâncias, as impossibilidades: quando há afinidade, qualquer reencontro retoma a relação, o diálogo, a conversa, o afeto, no exato ponto em que … Continued

Postado na categoria: Brasil, Comportamento, Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Cecília Meireles – Prosa na tarde – 20/09/2014

A Arte de Ser Feliz Cecília Meireles ¹ HOUVE um tempo em que a minha janela se abria para um chalé. Na ponta do chalé brilhava um grande ovo de louça azul.Nesse ovo costumava pousar um pombo branco. Ora, nos dias límpidos, quando o céu ficava da mesma cor do ovo de louça, o pombo … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , ,

Fernando Pessoa – Prosa na tarde – 02/03/2014

(…) Quantas vezes, sob o peso de um tédio que parece ser loucura, ou de uma angústia que parece passar além dela, paro, hesitante, antes que me revolte, hesito, parando, antes que me divinize. Dor de não saber o que é o mistério do mundo, dor de nos não amarem, dor de serem injustos conosco, … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , , ,

Cecília Meireles – Prosa na tarde – 26/01/2014

A quinhentos metros Cecília Meireles¹ A quinhentos metros, os vossos belos olhos desaparecem; e essa claridade do vosso rosto; e a fascinação da vossa palavra. É uma pena (eu também acho que é uma pena!), mas, a quinhentos metros, tudo se torna muito reduzido: sois uma pequena figura sem pormenores; vossas amáveis singularidades fundem-se numa … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , ,