loader
Arte | Poesia | Literatura | Humor | Tecnologia da Informação | Design | Publicidade | Fotografia

Murilo Mendes – Versos na tarde – 29/07/2017 sábado, 29 de julho de 2017

O fósforo Murilo Mendes ¹ Acendendo um fósforo acendeu Prometeu, o futuro, a liquidação dos falsos deuses, o trabalho do homem. O fósforo: tão radioso quanto secreto. Furioso, deli- cado. Encolhe-se no seu casulo marrom; mas quando cha- mado e provocado, polêmico estoura, esclarecendo tudo. O século é polêmico. O gás não funciona hoje. Temos greve dos gasistas. A Itália tornou-se a Grevelândia. Mas preferimos essa semi- -anarquia à “ordem” fascista. O fósforo, hoje em férias, espera paciente no seu…

Murilo Mendes – Versos na tarde – 08/12/2016 quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O utopista Murilo Mendes¹ Ele acredita que o chão é duro Que todos os homens estão presos Que há limites para a poesia Que não há sorrisos nas crianças Nem amor nas mulheres Que só de pão vive o homem Que não há um outro mundo. Extraído do livro Poesia Completa e Prosa. RJ Nova Aguilar,1994. ¹Murilo Monteiro Mendes * Juiz de Fora, MG – 13 de maio de 1901 d.C + Lisboa, Portugal – 13 de agosto de 1975…

Murilo Mendes – Versos na tarde – 28/06/2016 terça-feira, 28 de junho de 2016

A Juan Miró Murilo Mendes¹ Soltas a sigla, o pássaro, o losango. Também sabes deixar em liberdade O roxo, qualquer azul e o vermelho. Todas as cores podem aproximar-se Quando um menino as conduz no sol E cria a fosforescência: A ordem que se desintegra Forma outra ordem ajuntada Ao real – este obscuro mito. ¹Murilo Monteiro Mendes * Juiz de Fora, MG – 13 de maio de 1901 d.C + Lisboa, Portugal – 13 de agosto de 1975 d.C…

Murilo Mendes – Versos na tarde – 06/10/2014 segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Uma Mulher Murilo Mendes ¹ Ela estava no círculo familiar como as outras, Folheando um livro de gravuras: A noite nos cercava com seus abismos azuis E a idéia de quase uma floresta próxima. Alguém acendeu um candeeiro de petróleo, As pessoas presentes recuaram no tempo. Ela se levantou para abrir uma vidraça, E muito branca, toda vestida de preto, Seus movimentos ao mesmo tempo lentos e velozes, Fizeram nascer um começo de dançarina ou de gaivota, Hélices mexendo, mãos…

© Copyright 2018 Blog do Mesquita - Direitos Reservados. | POLÍTICA DE PRIVACIDADE | MBrasil