Robinho preso acusado de estupro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

robinho-selecao-brasileira

O atacante brasileiro Robinho, do Manchester City, foi preso por alegação de estupro de uma mulher de 18 anos em uma boate, segundo informações da imprensa britânica.

O jogador de 25 anos foi interrogado após uma estudante universitária contar a polícia local que foi atacada em uma área vip da boate Space da cidade de Leeds nas horas iniciais do dia 14 de janeiro.

Segundo o The Sun, Robinho foi para a balada em Leeds com seus companheiros de equipe. A Space é conhecida entre os futebolistas. Já a garota é estudante da Universidade Yorkshire, e estava no local com amigos.

fachada-da-boate-the-space

* Clique para ampliar *
Foto da entrada da boate “
The Space” 

O porta-voz de Robinho, Chris Nathaniel, confirmou que o jogador encontrou a polícia “por ser parte de uma investigação criminal”. “Ele nega tenazmente todas as acusações e disse que está feliz em poder cooperar com a polícia quando for solicitado”, disse ao The Sun. O Manchester City ainda não se pronunciou oficialmente sobre o assunto.

Os detetives britânicos planejavam deter Robinho durante o período de treinamentos do Manchester City em Tenerife neste mês, mas foram surpreendidos com a atitude do jogador de partir sem explicação de volta para o Brasil.

O incidente, inclusive, gerou uma multa pesada para ser desembolsada por Robinho. O jogador ficará duas semanas de seu salário o que, segundo a imprensa britânica, representaria a bagatela de 320 mil libras (cerca de R$ 1 milhão).

“Eu expus a situação a Robinho, e já o tinha prevenido de que nossa intenção era multá-lo”, explicou o técnico do City, Mark Hughes. “Ele não pode ser tratado de modo diferente em relação aos outros jogadores”.

Fonte:  UOL Esportes

admin

admin

Administrado do sistema do blog!

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me