Pobreza urbana na Argentina sobe para 27,3% no primeiro semestre


Aumento das taxas está relacionado à crise econômica, agravada pela abrupta desvalorização do peso e pela alta inflação. 

A pobreza entre a população urbana da Argentina chegou a 27,3% no primeiro semestre deste ano, uma alta de 1,6 ponto percentual em relação à segunda metade de 2017, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

No relatório, o órgão argentino também divulgou que o índice de indigência no período foi de 4,9% – um aumento de 0,1 ponto percentual.

O aumento das taxas está relacionado à crise econômica enfrentada pelo país, agravada pela abrupta desvalorização do peso argentino em relação ao dólar e pela alta inflação.

No relatório, o Indec apontou que 7,58 milhões de argentinos viviam abaixo da linha da pobreza e outros 1,35 milhão abaixo da linha de indigência nos 31 centros urbanos mais populosos do país.

O documento publicado nesta quinta-feira (27/09) é o quinto realizado pelo Indec desde que o presidente do país, Mauricio Macri, chegou ao poder, no fim de 2015. Esta é a primeira vez nos últimos três anos que o instituto registra uma alta nos dois índices.


Você pode se interessar também sobre: Economia: Coca Cola e Gasolina


O Indec não divulgou dados oficiais sobre pobreza e indigência nos últimos três anos do governo da ex-presidente Cristina Kirchner.

O crescimento da pobreza na primeira metade do ano coincide com uma aceleração da alta da inflação, que incide diretamente sobre o custo da cesta básica de alimentos e serviços, o parâmetro para calcular os índices de pobreza e indigência.

O presidente da Argentina reconheceu que o aumento das taxas de pobreza não é uma “notícia fácil” e disse que a “tempestade econômica” que o país atravessa fará com que as melhorias no indicador sejam adiadas, pois ainda existem “meses difíceis pela frente”.

“É um número que esperávamos, que reflete a turbulência dos últimos meses e as dificuldades pelas quais passamos”, disse o chefe de Estado argentino na Casa Rosada, sede do governo federal em Buenos Aires.

Em agosto, Macri já tinha antecipado que haveria alta nos índices como consequência da desvalorização do peso e seu impacto nos preços. “Infelizmente, com essa desvalorização que tivemos, houve um impacto na inflação. A inflação é o maior gerador de pobreza, veremos que parte que tínhamos conquistado na redução da pobreza vai se perder”, reconheceu na época o presidente.

PV/efe/dpa

Segundo dados governamentais, o índice de indigência de 4,9% significa um aumento de 0,1 pp (picture alliance/dpa/AP Photo/N. Pisarenko)

Postado na categoria: Economia - Palavras chave:

Leia também:

Petróleo. O pré-sal e capacidade militar
Petróleo. O pré-sal e capacidade militar

A dimensão militar da pré-sal Em breve, o governo apresenta o novo marco regulatório para explorar a camada pré-sal sem ter estimulado o debate público sobre as graves implicações de...

July 12, 2014, 10:20 am
Adam Smith - Frase
Adam Smith - Frase

“O que determina a produção é o consumo.” Adam Smith [ad name="Retangulo - Anuncios - Duplo"]

September 14, 2017, 10:00 am
Brasil - Da série
Brasil - Da série "O Brasil que dá certo" - PIB tem maior crescimento

Apesar das trapalhadas do governo, das estripulias parlamentares, o país, através de seus anônimos e obstinados empreendedores, vai navegando em busca de horizontes melhores. Segundo matéria da Folha de São...

December 13, 2007, 11:43 am
A classe C, uma bomba-relógio
A classe C, uma bomba-relógio

Nada mais grave e perigoso do que quando toda uma classe social perde a ilusão e a esperança de melhorar. Rua 25 de março, um dos maiores centros comerciais do...

September 9, 2016, 10:20 am
Abílio Diniz, o BNDES e a fusão do pão com a baguette
Abílio Diniz, o BNDES e a fusão do pão com a baguette

O dinheiro que o BNDES, através do braço de investimento BNDESPAR, vai colocar nesse forno para assar esse pão, corresponde ao total que a China investiu para fazer a mega estrada -...

July 3, 2011, 10:15 am
Fatos & Fotos - 11/12/2017
Fatos & Fotos - 11/12/2017

Vou às cores. Ao atelier trabalhar. Afinal, viver sem pintar e sem arte é imprudência. Fui. Às panelas. Vamos? Sinistro, ops!, mini$tro Odebrecht da Saúde vai pra casa todo fim...

December 11, 2017, 12:00 pm