1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Lava Jato: Delator afirma que diretor da UTC repassou R$ 300 mil a Aécio Neves

Suposto entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, Carlos Alexandre de Souza Rocha envolveu o nome do senador Aécio Neves (PSDB-MG) em delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito da Operação Lava Jato.Delator acusa Aécio Neves de receber propina de R$ 300 mil em 2013

Delator acusa Aécio Neves de receber propina de R$ 300 mil em 2013

De acordo com Rocha, também conhecido como Ceará, no segundo semestre de 2013 ele entregou R$ 300 mil a um diretor da UTC Engenharia no Rio de Janeiro. O executivo, identificado como Miranda, teria lhe dito que a soma era destinada ao presidente nacional da sigla tucana.

Ceará afirma que conheceu Youssef em 2000 e, oito anos mais tarde, passou a fazer entregas entre R$ 150 mil e R$ 300 mil para políticos brasileiros. Apenas para Miranda, ele diz que foram “umas quatro entregas de dinheiro”.

Em depoimento, o diretor financeiro da UTC, Walmir Pinheiro Santana confirmou que o diretor comercial da empresa no Rio de Janeiro se chamava Antonio Carlos D’Agosto Miranda. Santana, porém, não mencionou qualquer repasse a Aécio em seus depoimentos.

O comitê da campanha presidencial de Aécio em 2014 recebeu R$ 4,5 milhões da UTC em doações declaradas à Justiça e campanha da presidente Dilma Rousseff, R$ 7,5 milhões. Ainda em sua declaração premiada, Ceará disse que o diretor da empreiteira “estava bastante ansioso” pela entrega dos R$ 300 mil, em função da cobrança do destinatário final.

De acordo com o delator, ele teria mostrado surpresa pelo nome do tucano ter surgido no esquema. “E o Aécio Neves não é da oposição?”, questionou. Ainda segundo Ceará, a resposta do diretor da UTC foi: “Aqui a gente dá dinheiro para todo mundo: situação, oposição, (…) todo mundo”.

Citação é “absurda e irresponsável”, diz Aécio

O senador respondeu à citação por meio de sua assessoria de imprensa, que em nota classificou como “absurda e irresponsável” a inclusão de Aécio nas denúncias. “Trata-se de mais uma falsa denúncia com o claro objetivo de tentar constranger o PSDB, confundir a opinião pública e desviar o foco das investigações”, diz o texto.

A assessoria critica ainda a falta de provas sobre o repasse e o fato de que o dono da UTC, Ricardo Pessoa, nunca mencionou o nome do tucano em suas delações. “A falsidade da acusação pode ser constatada também pela total ausência de lógica: o senador não exerce influência nas empresas do governo federal com as quais a empresa atuava e não era sequer candidato à época mencionada”, afirma.

“O senador não conhece a pessoa mencionada e de todas as eleições de que participou, a única campanha que recebeu doação eleitoral da UTC foi a de 2014, através do Comitê Financeiro do PSDB”, conclui o texto.
JB

Termos: , , , , , , , , ,