1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas ( Seja o primeiro a votar !!! )
Loading...

O que Temer perdeu na “caminhãozada”

Crise dos combustíveis: Quanto o Governo Temer perdeu (e seus adversários ganharam) com a greve.

Greve dos Caminhoneiros 2018
Manifestantes protestam em Brasília. UESLEI MARCELINO REUTERS

Agenda pró-reformas liberais sofre mais um abalo e projetos de oposição ganham força para a eleição

Os caminhoneiros que protestaram contra o aumento no preço do diesel por longos onze dias estacionaram, junto com seus veículos, o Governo Michel Temer no acostamento. Cambaleante desde maio de 2017, quando eclodiu o escândalo da JBS, o Palácio do Planalto vai dando um adeus definitivo à agenda de recuperação econômica, sua última base de sustentação junto a influentes investidores e empresários. O último bastião a cair, na crise ainda inconclusa, foi a bandeira de recuperação da Petrobras, com a saída de Pedro Parente na sexta-feira. O panorama ameaça levar embora o capital eleitoral do grupo que rodeia o presidente e que, apesar dos níveis abissais de popularidade, terá nas mãos a máquina pública na eleição deste ano. A quatro meses do pleito, as peças passam por uma nova arrumação no tabuleiro. Em nível estadual, quem parece ter crescido mais em meio à confusão é o governador de São Paulo, Márcio França (PSB).

“Assumindo que a eleição é um plebiscito do atual Governo, [a greve] aponta na direção de vitória de projetos oposicionistas”, analisa o cientista político Rafael Cortez, sócio da consultoria Tendências. Para ele, o pré-candidato à presidência que mais sofre com os protestos dos caminhoneiros é o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB), que carrega o legado do atual Governo. Mas o grande perdedor pode acabar sendo o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). “O PSDB, a centro-direita reformista, flertava com a possibilidade de desenhar um acordo com o MDB, para acumular horário eleitoral, recursos, estrutura partidária, e desconstruir a competição nesse espectro. O ponto de interrogação que essa crise coloca é se essa ainda é uma estratégia boa para recuperar o eleitor indeciso ou que aderiu ao [deputado federal pelo PSL] Jair Bolsonaro”.

Alckmin segue impassível em sua articulação político-partidária de bastidores. Na segunda-feira, durante evento na Associação Comercial de São Paulo, o ex-governador disse que “os caminhoneiros já deram o seu recado, o Governo atendeu ao que pôde e agora é hora de nós restabelecermos o transporte”. “Os hospitais precisam de remédios, a população precisa de alimento. O que devemos fazer agora é retomar a atividade econômica”, disse o tucano. Um dia depois, o ex-governador subiu o tom e foi para cima de Bolsonaro sem mencioná-lo diretamente: “Estes pré-candidatos que flertam com a intervenção militar, com a ditadura, não deveriam nem ser candidatos porque não acreditam no regime democrático e a democracia é o caminho que levou o mundo inteiro a uma vida de renda melhor”. No final da semana, no entanto, até ele acabou criticando indiretamente a política de preços da Petrobras, levada a cabo por um nome tucano, Pedro Parente. “Precisamos definir uma política de preços de combustíveis que, preservando a empresa, proteja os consumidores”, escreveu no Twitter.

Enquanto Alckmin tentava se alinhar com a insatisfação, Bolsonaro fazia jogo dúbio. Depois de incentivar os manifestantes e prometer até anistiar quem fosse multado, o presidenciável que demonstrou mais desenvoltura durante a crise dos combustíveis —  e cujo nome foi mais ouvido de forma espontânea nos protestos — pediu pelo fim dos protestos. Em entrevista à Folha de S.Paulo, ele chegou a refrear os ímpetos daqueles que defendem a intervenção militar. “Se tiver de voltar um dia, que seja pelo voto. Aí chega com legitimidade, não dá bandeira para o PT dizer ‘abaixo a ditadura’ ou ‘foi golpe’. Porque aí foi golpe mesmo”, disse. Sobre o desespero de mudar a situação, ele ainda completou: “Querem tirar o Temer? A eleição está chegando, faltam cinco meses.”

O cientista político Paulo Kramer enxerga, pelo menos via redes sociais, uma vantagem significativa para Bolsonaro na mobilização dos caminhoneiros. Para ele, a ausência de uma candidatura de centro competitiva torna os problemas expostos pela insatisfação popular ainda mais complicados. “Surfando na onda dos protestos, uma candidatura como a do Bolsonaro pode se sentir tentada a voltar aos seus mais primitivos instintos estatizantes e nacionalistas. O Brasil precisa do contrário disso”, diz o professor da Universidade de Brasília (UnB), para quem o protagonismo nos movimentos de insatisfação política aumenta a responsabilidade do deputado federal pelo Rio de Janeiro neste momento.

Entre os governadores, o destaque do movimento é claramente Márcio França (PSB), que chegou a sugerir que Temer nacionalizasse o acordo que ele firmou com os caminhoneiros em São Paulo. O sucessor de Alckmin conseguiu interlocução direta com os caminhoneiros no vácuo deixado pelo Governo federal e fechou um acordo enquanto o Planalto batia cabeça. Temer esteve, inclusive, na sede do Governo paulista na noite de segunda-feira para discutir a questão com França. O prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB), também atravessou a crise sem se machucar além do inevitável.

Esquerda

O outro projeto alternativo que pode se beneficiar da queda em desgraça do Governo Temer é o da esquerda, que praticamente garante um lugar no segundo turno se chegar unida ao pleito de outubro, aposta Rafael Cortez. “O problema é garantir essa união. Ao mesmo tempo em que se aumenta o potencial eleitoral do campo como um todo, dificulta-se a construção dessa unidade”, diz o cientista político, fazendo referência ao PT e às pré-candidaturas de Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB). Segundo ele, o PT segue com os dois grandes status do campo esquerdista — é o maior partido de oposição e tem o líder mais popular, ainda que preso —, o que dificulta abrir mão de candidatura própria.

Afora os possíveis impactos para os arranjos políticos partidários, a herança da paralisação para o debate eleitoral também vai se desenhando. De maneira geral, para Cortez, os protestos traduzem um quadro de crise de confiança da sociedade com a política e acendem uma luz amarela sobre o debate da crise fiscal na eleição – é o próximo presidente ou presidenta que vai herdá-la – e para pior ainda para uma agenda reformista liberal. “Os governistas não conseguiram nem explicar que, quando se faz uma bondade aos caminhoneiros, quem paga o boleto é o resto da sociedade”, resume Paulo Kramer.

Termos: , ,