Ernesto Sábato


Vertigem Civilizacional Desumana
 
O homem não pode manter-se humano a esta velocidade, se viver como um autômato será aniquilado. A serenidade, uma certa lentidão, é tão inseparável da vida do homem como a sucessão das estações é inseparável das plantas, ou do nascimento das crianças. Estamos no caminho mas não a caminhar, estamos num veículo sobre o qual nos movemos incessantemente, como uma grande jangada ou como essas cidades satélites que dizem que haverá. E ninguém anda a passo de homem, por acaso algum de nós caminha devagar?
 
Mas a vertigem não está só no exterior, assimilá-mo-la na nossa mente que não pára de emitir imagens, como se também fizesse zapping; talvez a aceleração tenha chegado ao coração que já lateja num compasso de urgência para que tudo passe rapidamente e não permaneça. Este destino comum é a grande oportunidade, mas quem se atreve a saltar para fora? Já nem sequer sabemos rezar porque perdemos o silêncio e também o grito.
 
Na vertigem tudo é temível e desaparece o diálogo entre as pessoas. O que nos dizemos são mais números do que palavras, contém mais informação do que novidade. A perda do diálogo afoga o compromisso que nasce entre as pessoas e que pode fazer do próprio medo um dinamismo que o vença e que lhes outorgue uma maior liberdade. Mas o grave problema é que nesta civilização doente não há só exploração e miséria, mas também uma correlativa miséria espiritual. A grande maioria não quer a liberdade, teme-a.
 
O medo é um sintoma do nosso tempo. A tal extremo que, se rasparmos um pouco a superfície, poderemos verificar o pânico que está subjacente nas pessoas que vivem sob a exigência do trabalho nas grandes cidades. A exigência é tal que se vive automaticamente sem que um sim ou um não tenha precedido os atos.
 
Ernesto Sábato, in ‘Resistir’

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Clarice Lispector
Clarice Lispector

A Realidade Transfigurada Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada. O que te...

April 10, 2018, 11:31 am
Cecília Meireles - Versos na tarde - 15/02/2017
Cecília Meireles - Versos na tarde - 15/02/2017

Cenário Cecília Benevides de Carvalho Meireles¹ Passei por essas plácidas colinas e vi das nuvens, silencioso, o gado padecer nas solidões esmeraldinas. Largos rios de corpo sossegado dormiam sobre a...

February 15, 2017, 9:00 pm
Eugénio de Andrade - Versos na tarde - 26/04/2018
Eugénio de Andrade - Versos na tarde - 26/04/2018

Lua-de-água Eugénio de Andrade  Respiro o teu corpo: sabe a lua-de-água ao amanhecer, sabe a cal molhada, sabe a luz mordida, sabe a brisa nua, ao sangue dos rios, sabe a...

April 26, 2018, 9:00 pm
Alfonso Larrahona Kästen - Versos na tarde - 20/01/2013
Alfonso Larrahona Kästen - Versos na tarde - 20/01/2013

Ópera Nostra Alfonso Larrahona Kästen ¹ Minha fome se nutre de teu corpo, de tua íntima rosa, de teu lume invadindo meus gélidos plantios, me devorando as trêmulas palavras. Tua...

January 20, 2013, 9:00 pm
Sophia de Mello Breyner Andresen - Versos na tarde - 27/02/2015
Sophia de Mello Breyner Andresen - Versos na tarde - 27/02/2015

É por ti Sophia Andresen¹ É por ti que se enfeita e se consome, Desgrenhada e florida, a Primavera. É por ti que a noite chama e espera És tu...

February 27, 2015, 9:00 pm
Yao Feng - Versos na tarde
Yao Feng - Versos na tarde

Viagem Yao Feng ¹ Torci a sombra atrás de mim para fazer uma corda. Caminho em silêncio levando a corda à estrada, este cavalo velho. Todos os dias o pôr-do-sol...

September 2, 2010, 9:00 pm