1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (8 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Eleições 2010: Serra diz na França o que não teve coragem de dizer aqui

Para alguns Serra ao dizer lá fora o que não teve coragem de dizer aqui durante a campanha, demonstra além de desonestidade intelectual uma indelével falta de caráter.

Tivesse o tucano tido a coragem de fazer esse discurso durante a campanha e o resultado das urnas poderia ter sido diferente.

É uma evidente demonstração de prepotência e oportunismo. Fica a impressão que Serra jamais foi oposição. Ficou na posição de magoado por não ter sido o ‘poste’ escolhido.

O choro é livre. Mas aos vencidos convém exibir comedimento e dignidade.
O Editor


A coragem é uma qualidade fugidia. Costuma ausentar-se exatamente nos momentos em que é mais necessária.

Tome-se o exemplo de José Serra. Em campanha, revelou-se mais Lula do que a própria Dilma Rousseff.

Chegou mesmo a declarar, numa entrevista radiofônica, que Lula estava “acima do bem e do mal”.

Derrotado, Serra preonunciou o discurso do “até logo”, trancou-se em seus rancores e voou para a França.

Fez uma palestra na aprazível Biarritz, onde se realiza um seminário sobre as relações América Latina–União Europeia.

De repente, tomado de coragem inaudita, Serra revelou-se Serra. Esqueceu Deus e pôs-se a desancar Lula.

Disse que o presidente, cuja administração ele prometia continuar, comanda “um governo populista de direita na área econômica”.

Para esse Serra genuíno, personagem que Nelson Rodrigues chamaria de Serra “escocês legítimo”, Lula pratica um “populismo cambial”.

Pior: não tem um modelo econômico definido. Sob Lula, disse ele, o Brasil está “fechado ao exterior” e passa por “um processo claro de desindustrialização”.

Aprofundou temas que ignorara na propaganda eleitoral e apenas roçara nos debates televisivos: o baixo investimento público e o excesso de tributação.

Como que a justificar-se, Serra declarou que, durante a campanha, não pôde expor tais ideias do jeito que gostaria!?!?!.

Pronunciou uma frase desconexa: “A democracia não é apenas ganhar as eleições, é governar democraticamente”.

A certa altura, vergastou a política externa de Lula. Afirmou que o Brasil uniu-se “a ditaduras como o Irã”.

Nesse ponto da palestra, Serra viveu o seu momento Hugo Chávez. Uma voz ergueu-se na platéia.

Membro da Fundação Zapata, do México, um dos presentes gritou para Serra a frase que o rei de Espanha, Juan Carlos, dirigiu a Chávez em 2008, no Chile:

“Por que não te calas?”, sapecou o mexicano. Faz todo o sentido.

Se faltou coragem a Serra no Brasil, melhor que se autoconcedesse uma quarentena de covardia, usufruindo do silencio também no estrangeiro.

“Agora”, diria o infante, “Inês é morta“.

blog do Josias de Sousa

Termos: , , , , ,
Trackback

Nenhum Comentário até o momento. Faça o seu também!

Preencha os dados abaixo e faça seu comentário!

*