1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Dante Milani – Versos na tarde – 28/07/2017

Corpo
Dante Milano¹

Adorei teu corpo,
Tombei de joelhos.
Encostei a fronte,
O rosto, em teu ventre.
Senti o gosto acre
De santidade
Do corpo nu.
Absorvi a existência,
Vi todas as coisas numa coisa só,
Compreendi tudo desde
o princípio do Mundo.

¹Dante Milano
* Barra de S. João, RJ – 16 de Janeiro de 1899
+ Petrópolis, Rio de Janeiro – 15 de Abril 1991

Primoroso tradutor de Dante e Baudelaire. Escultor. Estreou tarde em livro, com Poesias (1948). Dele disse Manuel Bandeira ser “um dos nossos poetas mais fortes e mais perfeitos”.

Dante Milano nasceu no Rio de Janeiro filho do maestro Nicolino Milano e de Corina Milano. O seu irmão Atílio Milano foi também poeta. Trabalhou como conferente de textos na Gazeta de Notícias (Rio de Janeiro) a partir de 1913. Foi também funcionário do Juizado de Menores, no Ministério da Justiça.

Publicou seu primeiro poema, “Lágrima Negra”, em 1920, na revista carioca Selecta. Na época trabalhava como empregado na contabilidade da Ilha das Cobras, no Rio de Janeiro. Nos anos de 1930 foi colaborador do suplemento “Autores e Livros”, de “A Manhã” e do “Boletim de Ariel”.

Em 1935 organizou a “Antologia dos Poetas Modernos”, primeira antologia de poetas dessa fase. Casa-se com Alda em 1947. Seu primeiro livro, “Poesias”, foi publicado em 1948, e recebeu o Prêmio Felipe d’Oliveira de melhor livro de poesia do ano. Nos anos seguintes trabalhou como tradutor, lançando, em 1953, “Três Cantos do Inferno”, de Dante Alighieri. Em 1979 foi publicado seu livro “Poesia e Prosa”.

Publicou em 1988 “Poemas Traduzidos de Baudelaire e Mallarmé”. No mesmo ano recebeu o Prêmio Machado de Assis, concedido pela Academia Brasileira de Letras.

Dante Milano é um dos poetas representativos da terceira geração do Modernismo. Para o crítico David Arrigucci Jr., Milano, “como o amigo Bandeira, refletiu muito sobre a morte, casando o pensamento à forma enxuta de seus versos – lírica seca e meditativa, avessa ao fácil artifício, onde o ritmo interior persegue em poemas curtos, com justeza e sem alarde, o sentido”.


Termos: , , ,