1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (13 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Cecília Meireles – Prosa na tarde – 12/03/2017

O Livro da Solidão Cecília Meireles ¹ Os senhores todos conhecem a pergunta famosa universalmente repetida: “Que livro escolheria para levar consigo, se tivesse de partir para uma ilha deserta…?” Vêm os que acreditam em exemplos célebres e dizem naturalmente: “Uma história de Napoleão.” Mas uma ilha deserta nem sempre é um exílio… Pode ser […]

, , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas ( Seja o primeiro a votar !!! )
Loading...

Alice Ruiz – Versos na tarde – 02/03/2017

O poeta me viu Alice Ruiz¹ bastou um olhar e pode ver a mola mestra da aprendiz que sou a escolha que fiz no avesso e apesar da sorte adversa de não pesar de ser feliz poeta é quem vê o que não é de dizer e ainda assim diz ¹Alice Ruiz * Curitiba, PR. […]

, , ,

Alba Geir Nuffer Campos¹ Não faz mal que amanheça devagar, as flores não têm pressa nem os frutos: sabem que a vagareza dos minutos adoça mais o outono por chegar. Portanto não faz mal que devagar o dia vença a noite em seus redutos do leste — o que nos cabe é ter enxutos os […]

, , ,

Poema 1 Eustáquio Gorgone de Oliveira¹ Quando a hora já se desfez De que valem os cosméticos ? O corpo é quem primeiro se retira do calendário. Depois segue a alma com botões vermelhos e fica o frasco de mercúrio vazio. quem redige o poema se ilude No cheiro de canela-sassafraz. ¹Eustáquio Gorgone de Oliveira […]

, , ,

Delírio Anna Maria Dutra Quero amar verde-musgo alucinadamente Com o amor tempestade a trovejar fremente Rodopiando louco no vento que encrespado Vai arrancar da terra o tronco mais cravado. Quero amar como o rio varando enlouquecido O barro de seu corpo no leito adormecido A devorar faminto os prazeres das margens. Na febre dos instintos, […]

, , ,

Interrogação Júlia Cortines¹ Contemplo a noite: a cúpula estrelada do firmamento sobre mim palpita; meu olhar, que a interroga, embalde fita o olhar dos astros, que não vêem nada: — Nessa amplitude lôbrega e infinita que inteligência ou força inominada numa elipse traçou a vossa estrada, estrelas de ouro, que o mistério habita? Dizei-me se, […]

, , ,

Da poesia Artur Eduardo Benevides¹ 1. A poesia é um pequenino veio nas colinas a se espalhar por vésperas e matinas até encontrar a solidão do mar. E a solidão somos nós. O mar: o pranto o a voz dos que Jamais puderam regressar. 2. A poesia (passacale final na escadaria de mármore do templo) […]

, , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas ( Seja o primeiro a votar !!! )
Loading...

Conrado Falbo – Versos na tarde – 23/02/2017

Letras Conrado Falbo¹ não caminho por altas literaturas quando escrevo só posso falar do que conheço cotidiano miúdo insignificâncias de estimação apenas perto do chão estou à vontade para minhas rasteiras palavras. quando escrevo não subverto: subverso. ¹Conrado Falbo * Recife, PE. – 1982 Tweet

, , ,

Poema antigo Caio Fernando de Abreu¹ Está tudo planejado: se amanhã o dia for cinzento, se houver chuvas e houver vento, ou se eu estiver cansado dessa antiga melancolia cinza fria sobre as coisas conhecidas pela casa a mesa posta e gasta está tudo planejado apago as luzes, no escuro e abro o gás de-fi-ni-ti-va-men-te […]

, , ,

Gaita ¹Augusto Meyer Eu não tinha mais palavras, Vida minha, Palavras de bem querer; Eu tinha um campo de mágoas, Vida minha, Para colher. Eu era uma sombra longa, Vida minha, Sem cantigas de embalar; Tu passavas, tu sorrias, Vida minha, Sem me olhar. Vida minha, tem pena, Tem pena de minha vida! Eu sei […]

, , ,

Serpente Beatriz Alcântara¹ Não és o caminho que leva ao centro do mundo. não és também o caminho que margeia o bem e o mal. Por isso caminho por onde caminhas meeira da cor aliada da sensação submissa ao tempo. Como tu – caminho sem nem precisar a meta sem me aperceber do obstáculo sem […]

, , ,
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Drummond – Versos na tarde – 28/01/2017

A Máquina do Mundo Carlos Drummond de Andrade¹ E como eu palmilhasse vagamente uma estrada de Minas, pedregosa, e no fecho da tarde um sino rouco se misturasse ao som de meus sapatos que era pausado e seco; e aves pairassem no céu de chumbo, e suas formas pretas lentamente se fossem diluindo na escuridão […]

, , ,