1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas ( Seja o primeiro a votar !!! )
Loading...

Eleições 2018; Alckmin e um “mensaleiro” formaram o quadrilhão

Valdemar Costa Neto, o ‘mensaleiro’ que costurou a união de Alckmin com o Centrão

Valdemar Costa Neto Eleições 2018
Valdemar Costa Neto (de gravata escura), em rara aparição no dia 11, ao deixar a casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.
Foto P. LADEIRA FOLHAPRESS

Grupo que reúne cinco partidos e têm três minutos de TV anuncia oficialmente apoio ao tucano nesta quinta. Costa Neto, um dos pivôs do mensalão, é celebrado no mundo político pelo papel de articulador 

Valdemar Costa Neto é o claro exemplo de eminência parda na política brasileira. Oficialmente não ocupa nenhum cargo na direção do Partido da República, o qual presidiu por mais de duas décadas até ser condenado a sete anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no escândalo do mensalão petista. Há três anos cancelou sua filiação ao PR, mas todos os movimentos do partido ainda dependem dele. É o presidente de fato, mas não o de direito. Assim foi também nos três anos em que esteve preso ou cumprindo prisão domiciliar até receber um indulto. Aos 67 anos, sendo 23 deles passados como deputado federal, ele é um enxadrista na política do Planalto Central. Ultimamente não concede entrevistas. E raramente aparece em público.

Foi uma jogada feita por Costa Neto que levou cinco partidos do centrão a darem passos largos até a rampa de acesso ao barco da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à presidência da República. Ele ofereceu o empresário Josué Gomes (PR-MG) para ser vice do tucano. Consigo levou o tempo de propaganda no rádio e na TV do seu PR, do DEM, do SD, do PRB e do PP (três minutos) e parte de seus fundos eleitorais (440 milhões de reais).

Apesar da oferta, é provável a negativa de Josué. Mas o PR não pensa em se desvincular de Alckmin porque Costa Neto é o tipo de político leal aos seus, que costuma cumprir acordos, independentemente do que for combinado. “Valdemar não tem atributos que a sociedade aprecia, mas que os políticos apreciam. É um jogador de time, até ajuda os deputados que estão em dificuldade e foram presos ou acabaram com poucos recursos para suas campanhas”, explicou o cientista político Leonardo Barreto, da agência Factual Informação e Análise.

No anúncio oficial de apoio do centrão ao ex-governador Alckmin, nesta quinta-feira, a ausência de Costa Neto foi notada, mas o pré-candidato tucano fez questão de agradecer a ele pelos esforços em unir o grupo. Pediu para o deputado Milton Monti (PR-SP) mandar um “fraternal abraço para o Valdemar”. No evento, em um hotel de Brasília, representantes de cinco partidos do centrão discursaram a favor de Alckmin. Todos disseram que a escolha pelo nome dele não era uma unanimidade entre as lideranças locais das legendas, mas depois de quatro meses de conversas com as bases e entre eles, conclui-se que o tucano seria o único capaz de agregar o país e se tornar um conciliador. Em sua fala, Alckmin afirmou que o Brasil não precisa de extremistas. “O caminho não é nem o autoritarismo nem o populismo, mas a democracia”. A fala foi direcionada a concorrentes que ele e seu grupo consideram radicais, como Jair Bolsonaro(PSL) e Ciro Gomes (PDT).

Nas últimas semanas o centrão flertou com o pedetista, mas não chegou a um acordo para se aliarem. “Nos últimos tempos fiquei me perguntando se seria correto se aliar a um candidato e torcer para outro ganhar”, afirmou o presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto. Ele não citou nominalmente ninguém, porém, boa parte dos espectadores (cerca de 20 deputados e líderes partidários) entendeu que a fala era direcionada a Ciro.

Até agora, o PSDB conseguiu agregar oito partidos em seu arco de alianças (PSD, PPS, PRB, PTB, PR, SD, DEM e PP). Ainda negocia com o PV. Quase metade do fundo eleitoral e do tempo de propaganda em rádio e TV ficará com esse grupo. O papel de Costa Neto na construção desse espectro de siglas é evidente. O professor Wladimir Gramacho, da Universidade de Brasília (UnB), diz que Costa Neto tem uma capacidade de amalgamar as diferentes correntes do partido. Consideradas as devidas proporções, tem a mesma relevância que Luiz Inácio Lula da Silva tem para o PT. “Por mais que ele não conste como liderança oficial, ele tem os recursos políticos necessários para continuar mandando”, afirmou.

Nos últimos dias, antes de tomar a decisão sobre qual presidenciável apoiar, segundo aliados, Costa Neto se fez uma série de perguntas e depois as repetiu aos outros líderes do Centrão. Algumas delas foram: qual a estrutura que o candidato vai nos dar? Cederá espaços nas chapas estaduais para as candidaturas ao Senado ou a vice-governador? Abrirá a mão de candidaturas para deputados federais em coligações proporcionais? Darão espaços nas mesas de tomadas de decisão em caso de eleitos? Seus compromissos costumam ser cumpridos?

Ao responderem um a um a esses questionamentos foram eliminando tanto Jair Bolsonaro (PSL) quanto Ciro Gomes (PDT). Tudo os direcionava à candidatura tucana, mas os resultados das pesquisas que colocavam o ex-governador de São Paulo com menos de 10% das intenções de votos desanimaram os líderes do Centrão. Por isso, na avaliação do cientista político Barreto, iniciou-se um falso leilão entre os três concorrentes ao Planalto. “No fundo, eles queriam trocar a candidatura do Alckmin pela do [João] Doria. Mas como o PSDB é presidido pelo Alckmin e ele não aceitou essa troca, acabaram tendo de fechar com ele, mesmo”.

Mais uma vez, Costa Neto usou de sua habilidade para assegurar o grupo ao tucano. Articulou que, independentemente dos eleitos para o Congresso Nacional, todos se comprometeriam a estarem unidos nas disputas para as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Além disso, não obrigariam seus diretórios estaduais a se unirem aos candidatos do PSDB local. Essa sugestão surgiu muito por conta das especificidades do Nordeste, onde boa parte do PR ainda é ligada aos candidatos do PT. E eleger deputados ainda é a prioridade dos representantes do PR.

A questão mineira

Além disso, pesquisas mostram que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva(PT) ainda tem a maioria dos votos dos nordestinos. E há a perspectiva de que parte considerável desses votos seja transferida para o seu indicado, já que é improvável que Lula possa se candidatar por conta de sua condenação judicial na operação Lava Jato. Ao não querer confrontar Lula no Nordeste e oferecer o apoio a Alckmin, mais uma jogada foi feita mirando o segundo maior colégio eleitoral do país, Minas Gerais. Josué é mineiro e estava sendo cotado para ser vice-governador na chapa do candidato à reeleição Fernando Pimentel. Acabou sendo levado a apoiar Antonio Anastasia (PSDB) e, dessa maneira, passou a atuar involuntariamente como um dos símbolos anti-PT.

Acostumado a estar próximo ao poder, Costa Neto só foi oposição durante um curto período na gestão Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Desde a redemocratização do país, acostumou-se a apadrinhar aliados para funções chaves no Executivo. Foi ele quem indicou o empresário José Alencar (pai de Josué) a vice de Lula. Nos governos petistas de Lula e Dilma Rousseff alçou outro voo alto. Colocou a legenda no comando do Ministério dos Transportes e, consecutivamente, em todas as superintendências estaduais. A visibilidade das obras feitas nas rodovias ajudaram a eleger sua bancada para o Legislativo nos anos de 2006, 2010 e 2014. Na gestão Michel Temer (MDB), manteve toda a estrutura dos Transportes e conseguiu emplacar aliados em postos chaves no ministério da Agricultura e na Caixa Econômica Federal. Seguiu com portas abertas no Palácio do Planalto, onde foi recebido em audiência oficial pelo presidente Temer em 23 de maio.

A proximidade de Costa Neto com Temer também fez com que o presidente agisse a favor de Alckmin e contra Ciro Gomes. O emedebista queria que o centrão fechasse com seu candidato oficial, Henrique Meirelles. Mas, diante dessa impossibilidade, Temer decidiu agir para não fortalecer um dos principais críticos ao seu Governo. Ciro já havia chamado o presidente de “quadrilheiro” e que todos os partidos que dão sustentação à gestão são picaretas. Os cinco representantes do centrão têm ou tiveram cargos graúdos na máquina federal. Dois de seus líderes, o senador Ciro Nogueira e o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (ambos do PP) também são próximos de Temer e influenciaram na decisão do grupo.

De Tiririca ao Governo do DF

Se não bastasse a atuação na esfera nacional, Costa Neto também age em questões regionais. Almejando manter uma considerável bancada de deputados por São Paulo, ele tenta convencer o palhaço e deputado federal Tiririca (PR-SP) a não desistir da política. Parlamentar eleito em dois mandatos consecutivos, o humorista anunciou no ano passado que estava desistindo da política e que não disputaria mais eleições. Nesses quase oito anos de mandato ele não teve nenhum projeto de lei relevante aprovado e só ocupou os microfones da Câmara em apenas duas ocasiões, em uma votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff e em outra foi seu anúncio. Ainda assim, a possibilidade de “puxar” novos deputados com ele (campeão de votos em 2010 e vice-campeão em 2014) são seus principais atrativos.

“O Valdemar é quem conhece todos os bastidores da política. Por isso que tanta gente o procura e ele foi fundamental nos acordos firmados recentemente em várias esferas”, afirmou o cientista político Valdir Pucci, professor da Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central (FACIPLAC).

Em outra celeuma que Costa Neto tentou se meter, mas não conseguiu alterar o cenário, foi no Distrito Federal. O ex-secretário de saúde Jofran Frejat era o pré-candidato do PR ao governo local. Liderando as pesquisas (com até 25% dos votos) e insatisfeitos com as tentativas de interferência em sua campanha, ele anunciou na semana passada que desistiria da disputa. Costa Neto tentou demovê-lo da ideia. E, nesta terça-feira, Frejat anunciou que estava fora da concorrência, desta vez em definitivo.
ElPais

Termos: , ,